ACOMPANHAMENTO BARIÁTRICO

ApÓS A REDUÇÃO DO ESTOMAGO É IMPORTANTE TER UM ACOMPANHAMENTO

O acompanhamento bariátricoa no tratamento da obesidade consiste em uma abordagem multidisciplinar com a participação de médicos, nutricionistas e psicólogos, envolvendo o uso de medicamentos que inibem o apetite, drogas que interferem na absorção de gorduras, drogas que aumentam a termogênese, além de antidepressivos associados ao tratamento dietético e psicoterápico.

Porém em alguns casos especialmente para obesidade de elevados graus, essa abordagem acaba não surtindo resultados substanciais para que ocorra a manutenção do peso perdido e melhora de doenças associados em longo prazo.

A cirurgia bariátrica é uma opção a ser considerada, uma vez que esta alternativa apresenta melhores resultados. Entretando diversos cuidados devem ser tomados antes e após a cirurgia bariátrica.

Vamos entender um pouco mais sobre as opções de cirurgia bariátrica para redução do estomago, pois é um método reconhecido principalmente por promover uma perda de peso relevante e sustentada em longo prazo. Após a cirurgia é facil avaliar como o resultado trás beneficios a saúde do paciente.

Existem três modalidades cirúrgicas bariátrica utilizadas, que variam de acordo com o principio utilizado: restrição, disabsorção e uma combinação das duas modalidades, as chamadas técnicas mistas.

 

Nas modalidades restritivas (banda gástrica ajustável e gastroplastia vertical bandada), a câmara gástrica é acentuadamente estreitada e diminuída, criando-se assim um obstáculo mecânico para a ingestão de grandes volumes de alimentos objetivando saciedade precoce. Nas modalidades disabsortivas, há fundamentalmente interferência na digestão e absorção dos alimentos, permitindo, em contrapartida, uma ingestão mais generosa de alimentos.

O procedimento mais usado é a derivação gástrica em Y de Roux que é um procedimento misto onde há a redução do estomago e um desvio intestinal que leva a menor absorção de alimentos, porém em menor grau que os procedimentos disabsortivos.

No Brasil, desde 1993, a técnica mais utilizada é a derivação gastrojejunal em de Roux, por apresentar baixa morbi-mortalidade e boa eficácia. Essa técnica está associada à saciedade precoce e à aversão a doces pelo desenvolvimento da síndrome de Dumping, com perda de peso significativamente maior que os procedimentos restritivos e sem tantos efeitos colaterais como os procedimentos puramente disabsortivos.

Estes pacientes submetidos devem ser acompanhados recebendo orientações especificas para elaboração de uma dieta equilibrada. A adesão ao tratamento deverá ser avaliada, pois a falta de adesão ao tratamento pode colocar em risco a sucesso da intervenção.



É importante que o paciente compreenda que a cirurgia bariátrica é um processo facilitador da perda de peso, mas somente mudanças no estilo de vida, escolha alimentares e comportamento trarão um resultado significativo em longo prazo. Hoje se sabe que existe uma tendência de reganho de peso com o tempo de pós-operatório especialmente para aqueles paciente não aderentes ao processo como um todo. O tratamento deve ser multidisciplinar para que o paciente seja visto de uma maneira global.

Existem contra indicações para a realização desta cirurgia como, por exemplo, cirrose hepática, algumas doenças renais e psiquiátricas graves, vícios (droga, alcolismo) e disfunções hormonais. Todas devem ser avaliadas por profissionais com prática e conhecimento aprofundado neste assunto.

Em todos os casos você deverá, obrigatoriamente, ter pleno conhecimento das características, necessidades, ricos e limitações de cada cirurgias. Participe de reuniões com uma equipe multiprofissional e com pacientes já operados para poder ter certeza da sua decisão.